Comemorados em Goianésia o Dia Mundial de Conscientização do Autismo e um ano de implantação do CEMESMPI

No dia estabelecido, pela Organização das Nações Unidas (ONU), para a Conscientização do Autismo, Goianésia celebrou também um ano de implantação do Centro Municipal Especializado (CEMESPI), projeto desenvolvido pela Prefeitura mediante parceria das secretarias municipais da Mulher, Família e Direitos Humanos; da Educação; e da Saúde.

Foto: Governo de Goianésia


A dupla comemoração, na manhã desse domingo, 2 de abril, foi no Parque da Praia do Cerrado, com a participação dos 36 alunos autistas do CEMESPI, da equipe multiprofissional do projeto, de pais de alunos e da comunidade, em evento onde também estavam o prefeito Leonardo Menezes, secretários municipais e dos vereadores Edvaldo da Jalles (PSDB), Ismael do Gasparino (UB), Professor Hiago (UB) e Geraldo do Pastel (Podemos).


Em pronunciamento, o prefeito Leonardo Menezes respondeu a uma crítica, que ouviu dentro da Prefeitura, de que não valeria a pena investir em projetos de inclusão, como o CEMESPI, porque não dão votos.


“Escutei que não vale a pena investir nesses projetos, porque atendem a poucas pessoas e não dão votos. A gente não faz isso pensando em voto; a gente faz isso pensando nas pessoas”, afirmou o prefeito, que interagiu com as famílias; acompanhou a apresentação Olhar Azul, do professor do Música do CEMESPI, Leomar Lucas Teles, o Tio Léo, com as crianças do CEMESPI; e ouviu depoimentos das mães de alunos, Bárbara Antônio de Queiroz e Lívia Angélica Inácio de Macena Silva, sobre a experiência do CEMESPI nas suas e nas vidas de seus filhos.


Ao término das celebrações, no fim da manhã desse domingo, o prefeito Leonardo Menezes ainda participou da soltura de balões azuis, representando as comemorações, e de um café da manhã, oferecido aos presentes.

Foto: Governo de Goianésia


A primeira-dama e idealizadora do CEMESPI, Eloá Menezes, por sua vez, lembrou-se de ter lido, sobre o 2 de abril, não haver, no Brasil, motivos para comemorar, somente conscientizar, e ressaltou haver, sim, o que comemorar, em Goianésia: um ano de CEMESPI.


“Estamos muito felizes dessa comemoração hoje aqui. São 40 crianças atendidas, hoje. Porém, eu tenho certeza, que no ano que vem nós teremos 80, porque vamos para outra escola, estamos trabalhando para isso. Ano que vem vamos comemorar 2 anos do CEMESPI para 80 crianças em Goianésia”, prometeu.

O CEMESPI


O CEMESPI é um projeto criado no intuito de fornecer tratamento multiprofissional de excelência no contraturno escolar para crianças autistas, deficientes intelectuais e com síndrome de Down, com idades de 4 a 10 anos, que estudem na Rede Municipal de Educação.


O projeto tem por objetivos contribuir no desenvolvimento cognitivo e no aperfeiçoamento das habilidades cognitivas, gerando impacto positivo no processo de ensino aprendizagem na escola regular; despertar o desenvolvimento da autonomia física e/ou intelectual das crianças, de modo a contribuir no seu convívio social e familiar; e proporcionar às famílias segurança e comodidade do tratamento multiprofissional no mesmo ambiente com objetivos alinhados ao desenvolvimento e fortalecimento das habilidades cognitivas e motoras das crianças.


Hoje, o CEMESPI atende 40 crianças, 20 no período matutino e 20 no vespertino, das quais 36 autistas, três deficientes intelectuais e uma com síndrome de Down.


A equipes do CEMESPI é assim formada: coordenadora, Ana Carolina Cardoso Poiatti, a Carol Cardoso; psicopedagogas, Marceleide Lopes da Silva, Patrícia Aparecida Pereira Moura, Lettícia do Vale e Wanessa Aparecida de Oliveira Rocha; psicomotricista, Luzani da Silva Borges; professor de Musicalização Leomar Lucas Teles, o Tio Léo; estagiárias/apoio, Cássia Alves Araújo, Débora Ravany Batista, Karina Moreira Godoi Silva, Lavínia Vargem Reis e Marjorie Juliana Vasconcelos; e auxiliar de serviços gerais Cleusa Gomes de Oliveira Santos.

REPERCUSSÃO


“Do que Goianésia precisa é disso aqui, que nunca teve. Só pelo CEMESPI, Eloá — não falo nem dos outros projetos —, a senhora já tem o meu respeito. Esse evento nos enche de emoção e alegria”, elogiou o vereador Edvaldo da Jalles, dirigindo-se à primeira-dama Eloá Menezes, idealizadora do CEMESPI, e estendendo agradecimentos ao prefeito Leonardo Menezes.


“Eu tenho um sobrinho autista e não é diferente de ninguém. São pessoas que gente aprende a amar, aprende a gostar e aprende a conviver do mesmo jeito”, ilustrou ainda Edvaldo.
Os também vereadores Professor Hiago e Ismael do Gasparino igualmente elogiaram a comemoração do dia 2 de abril e um ano de implantação do CEMESPI.


“Para nós, é motivo de muita alegria estar aqui hoje, é algo que nunca aconteceu, essa inclusão vista na prática”, destacou o vereador Professor Hiago, vice-presidente da Câmara Municipal. “É algo que enche os olhos do professor, de toda a comunidade, quando vemos um projeto desses sair do papel: não só o CEMESPI, mas o 2 de abril, o Dia da Conscientização do Autismo”.


“Para nós, do município de Goianésia, esse CEMESPI teve e tem um trabalho de grande importância, que visa assegurar a inclusão dessas crianças autistas na nossa sociedade. Temos de reconhecer, agradecer e parabenizar, por esse projeto, ao prefeito Leonardo Menezes, à primeira-dama, Eloá Menezes, e toda a equipe do CEMESPI”, disse o vereador Ismael.


Durante o evento, também fizeram pronunciamentos a secretária de Educação, Elisandra Menezes; a primeira-dama Eloá; a coordenadora do CEMESPI, Carol Cardoso; e o prefeito Leonardo Menezes.
“Esse trabalho que a Eloá chegou e propôs não tem como não abraçar, porque é tão necessário conscientizar, entender, olhar, apoiar, conhecer, para poder conviver. Nós ainda quebramos paradigmas. Aquilo que a gente não conhece, a gente tem tendência de rejeitar. E nós estamos aqui justamente para fazer valer os direitos dessas crianças”, afirmou Elisandra Menezes, que parabenizou a equipe do CEMESPI, “pelo trabalho com amor”.


“Inclusão, não se faz sem amor. Não tem jeito. Ou você é aberto, ama, ou não consegue se envolver”, asseverou Elisandra, que ainda apresentou a pedagoga Vitória Antunes, autista, recém-aprovada nos concursos públicos de professora, tanto do Estado quanto do Município.
“Agradeço à Eloá e todos envolvidos nos projetos de inclusão da nossa cidade, é algo inédito, e realmente eu fico encantada com o desenvolvimento que está tendo, porque são coisas que geram frutos, e não só no presente, mas para o futuro. É algo que traz resultados permanentes”, disse a pedagoga Vitória.
“Agradeço também porque a gente tem que lembrar do autismo não apenas na infância. Eu cresci, essas crianças atendidas hoje, elas vão crescer. E a Secretaria de Educação me recebeu muito bem quando eu fui aprovada, fazendo adaptações para mim. Muito obrigada!”

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui