Pesquisadores da UEG descobrem novas espécies de cogumelo e bolor

A equipe do Laboratório de Micologia Básica, Aplicada e Divulgação Científica (FungiLab) do Campus Central da Universidade Estadual de Goiás (UEG), em Anápolis, descobriu recentemente duas novas espécies de fungos no cerrado. A primeira é um cogumelo e a outra, um bolor. As descobertas são parte da pesquisa de doutorado dos estudantes do Programa de Pós-Graduação em Recursos Naturais do Cerrado (Renac|UEG) Lucas Leonardo da Silva e Antônio Sérgio Ferreira de Sá, orientados pela professora doutora Solange Xavier dos Santos.

Pesquisadores do Laboratório de Micologia Básica, Aplicada e Divulgação Científica da UEG foram responsáveis pela descoberta de duas novas espécies de fungos no cerrado / Foto: Arquivo FungiLab|UEG

Batizado como Furtadomyces sumptuosus, o cogumelo foi encontrado em uma área de mata da Floresta Nacional de Silvânia, uma unidade de conservação na região Centro-Sul do estado de Goiás, que abriga diferentes fisionomias vegetacionais típicas do cerrado. Segundo os pesquisadores, o nome foi dado devido às características do cogumelo, que é robusto, suntuoso, bem diferente do que se conhece como um cogumelo tradicional. 

Já o bolor foi encontrado em uma das cavernas do Parque Estadual Terra Ronca, localizado no município de São Domingos, no Nordeste do estado. O nome científico da espécie, Preussia bezerrensis, foi dado em homenagem à caverna onde ele foi encontrado, que é conhecida como Lapa do Bezerra. “A caverna é santuário natural, de rara beleza e muito difícil acesso e, por isso, a natureza lá se mantém quase intacta”, explica a professora Solange Xavier. 

A professora conta que o reconhecimento e a validação dessas espécies como novas para a ciência só foram possíveis depois de estudos bastante minuciosos que incluem a comparação com todas as outras espécies parecidas, para então constatar que de fato nunca ninguém as encontraram antes. “Para isso são levadas em consideração não apenas a aparência física, mas também outras características, incluindo a análise microscópica de suas estruturas e, também, o seu material genético, seu DNA. Isso permite ainda verificar o grau de parentesco com outras espécies de fungos já conhecidos”, salienta. 

Os resultados dessas descobertas foram publicados em 2022 nas revistas científicas internacionais Mycological Progress, volume 21, e Persoonia – Molecular Phylogeny and Evolution of Fungi, volume 49. 

A professora Solange Xavier explica que os próximos passos da pesquisa do FungiLab são focados na prospecção dessas novas espécies para investigação das substâncias que produzem e que possam ter aplicação em diversas áreas, inclusive moléculas desconhecidas. “Esses fungos agora estão sendo domesticados, ou seja, cultivados em meio de cultura no laboratório para que possam ser estudados quanto ao seu potencial biotecnológico”, ressalta.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui